Nos meses de maio e junho de 2016, a equipe responsável pelo monitoramento do peixe-boi marinho no Piauí, do Projeto Pesca Solidária, em parceria com ICMBio e Base Peixe-boi de Cajueiro da Praia registrou a presença de peixes-bois na Barra das Canárias, município de Araioses no Maranhão.

Meses atrás, a equipe recebeu informações dos pescadores das Canárias, que afirmavam estarem avistando os indivíduos durante os meses de fevereiro e março, além da informação de um encalhe morto de um filhote.

Foram avistados grupos de até 3 indivíduos, durante as saídas a campo para tentar flagrar os animais, tudo isso com o apoio de uma equipe com olhar treinado para conseguir diferenciar os sirênios de outros animais.

“Já trabalho com avistagem de peixes-bois há 4 anos, e essa experiência favorece para um melhor resultado da atividade. Ver os bichos em uma área nova e poder colaborar com o trabalho dessa equipe é gratificante, e cada vez que vejo um peixe-boi é sempre como se fosse a primeira vez, o prazer é o mesmo”, comenta Cláudio Veras, monitor de avistagem do projeto.

Com posse dessas informações, técnicos do Projeto e do ICMBio, com o apoio do pescador das Canárias, o senhor Jerri, fizeram uma visita na área onde os pescadores afirmavam ver os mamíferos. Na ocasião foi avistado um indivíduo, mas se fazia necessário outras visitas na área, buscando maiores informações sobre o local. Com isso, a equipe realizou outra saída para fazer mergulhos no local indicado da avistagem, e avaliar se a área possui características favoráveis para a presença dos indivíduos.

Durante a avistagem, após flagrar a presença de dois indivíduos, os técnicos realizaram mergulhos para avaliar o local, buscando identificar presença de olho d’água e áreas de alimentação, e esses serão mapeados ao longo do ano, buscando gerar maiores informações sobre a nova área de ocorrência de peixe-boi marinho.

Segundo o técnico ambiental do ICMBio e Coordenador da Base Peixe-boi no Cajueiro da Praia, Heleno Santos, a ocorrência desses animais na área são dados importantíssimos para distribuição da espécie ao longo do litoral brasileiro, “ O Maranhão é considerado uma área de descontinuidade em relação a presença de peixe-boi, obter dados como esses, é extremamente importante, pois vai colaborando com informações sobre o aumento da população no Brasil, uma vez que apresentam um situação de risco em relação a extinção”, afirma Heleno Santos.

“Agora, a partir dessas informações, buscaremos fazer mais saídas para a área de ocorrência, realizar mergulhos e fazer todo o reconhecimento de área, por se tratar de pontos novos de ocorrência, é necessário um esforço para obter o maior número de informações possíveis, e assim gerar estratégias para o desenvolvimento dos trabalhos”, conclui Heleno

Para a coordenadora de monitoramento do Peixe-boi do projeto Pesca Solidária, Liliana Souza, a ocorrência de peixe-boi na área do Maranhão, vem fortalecer as ações de conservação da espécie “Atuamos com a pesquisas e conservação dessa espécie no Piauí, e no Maranhão iniciamos conversas informais com os pescadores, buscando informações de conhecimento ecológico sobre a espécie. A partir desses dados, é intensificar visitas na área, ampliando nossa área de atuação em relação a ações de pesquisas com a espécie, e tudo isso com o apoio e parceria dos pescadores das Canárias e Pedra do Sal, que colaboraram com repasse de informações”, comenta Liliana Souza.

“Dentro do Projeto Pesca Solidária, temos equipes capacitadas, que abraçam os dois eixos para conservação dos sirênios, que são as equipes de educação ambiental, que atua diretamente na sensibilização da comunidade, chamando esses atores para colaborar como multiplicadores de informações em relação a importância desses animais para o meio ambiente, e temos a pesquisa, que de forma mais técnica busca estudar comportamento da espécie, estimativa populacional, e outras  linhas de pesquisa, que gerem subsídios para a conservação dessa espécie. E para alcançar tudo isso, podemos contar com a parceria do ICMBio, que nos garante suporte logístico, informações técnicas, tudo feito de forma coletiva com a Comissão Ilha Ativa, buscando dados mais consistentes sobre esses animais”, complementa Liliana Souza.

A equipe do Projeto Pesca Solidária, gerido pela Comissão Ilha Ativa, em parceria com o Instituto Chico Mendes de Conservação, agradece o apoio dos pescadores das Canárias e Pedra do Sal, por terem colaborado com repasse de informações e assim alcançarmos um belo resultado.

O Projeto Pesca Solidária, é patrocinado pela Petrobrás através do Programa Petrobras Socioambiental.