No último dia 20, o filhote de peixe-boi encontrado encalhado no litoral piauiense foi encaminhado ao Centro de Reabilitação do Programa Peixe-Boi/CEPENE, localizado em Itamaracá, Pernambuco.

O animal, que encalhou no dia 16 de abril, foi resgatado pela equipe do Projeto Pesca Solidária e ICMBio. As instituições executam, em parceria, ações de pesquisa e educação ambiental voltadas à conservação dos sirênios na APA Delta do Parnaíba. Ao ser acionada, a equipe dirigiu-se ao local e transportou o animal até a Base do Projeto Peixe-boi em Cajueiro da Praia-PI, onde ele foi avaliado externamente.

O filhote foi resgatado às 22 horas do domingo (16), mas ele já havia encalhado horas antes do mesmo dia, sendo localizado por turistas, que o reintroduziram no mar. Durante a permanência na Base, biólogos do projeto se revezaram afim de dar toda a assistência necessária ao filhote que media 123 cm e pesava 34 kg

“Ao localizarmos, identificamos que se tratava de um filhote, fêmea e que ainda apresentava cordão umbilical, ou seja, fazia poucos dias de nascida e, embora sob esta circunstância, apresentava-se saudável. Isto foi posteriormente confirmado pelo veterinário Vitor Luz da ONG Aquasis, que deu todo o suporte clínico ainda na Base e durante seu deslocamento até Pernambuco”, explica Liliana Souza, bióloga do Projeto Pesca Solidária.

“O animal foi hidratado e alimentado com leite sem lactose. Todo esse cuidado e contato fez com que a equipe criasse um vínculo com o filhote, que recebeu o nome de Mocinha, fazendo uma homenagem à praia Peito de Moça, local do encalhe. O ideal é que o animal esteja em seu ambiente natural, mas passar esses poucos dias com ele, só fortaleceu o amor que sentimos e a vontade de sempre ir em busca da conservação, não apenas do peixe-boi, mas de todo o ambiente”, complementa Liliana.

O transporte do animal para Itamaracá mobilizou diversas instituições privadas, governamentais e não governamentais, que se empenharam para o cuidado com o espécime. O peixe-boi marinho atualmente apresenta status de conservação “Em Perigo”, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente. O Piauí possui uma Lei estadual que o classifica como patrimônio natural do estado.

“Enquanto toda a equipe de técnicos se dedicavam ao animal até ser transportado, a Comissão Ilha Ativa (CIA) em conjunto com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) realizaram uma força tarefa para garantir junto ao governo do estado uma aeronave para o transporte do filhote até Pernambuco. E foi assim que conseguimos, unindo forças e trabalhando num só objetivo, o seu bem estar”, comenta Kesley Paiva, bióloga do Projeto Pesca Solidária.

Durante a viagem até a Ilha de Itamaracá, o filhote foi assistido durante todo o trajeto pelo técnico do projeto Waldemar Justo e o veterinário Vitor Luz, garantindo sua chegada de forma segura.

“Foi uma viagem longa, um voo de quase quatro horas. É uma situação de estresse para o animal, que se demonstrou agitado, com períodos curtos de descanso durante o trajeto. Foi a primeira vez que acompanhei o transporte de um peixe-boi e certamente foi um aprendizado incrível, onde só comprovou que em situações de resgate, ou qualquer outra que envolva o manejo de uma espécie, seja ameaçada de extinção ou não, é exigido agilidade e um cuidado redobrado. A sensação é de dever cumprido e o melhor, a garantia de que ela voltará para seu ambiente natural”, comenta o biólogo Waldemar.

O animal foi repassado aos técnicos do ICMBio Fábio Cunha e Fernanda Niemeyer ainda no aeroporto de Recife, onde prestaram os primeiros atendimentos e em seguida, deslocaram-se às instalações do Programa Peixe-Boi/CEPENE em Itamaracá/PE.

A Comissão Ilha Ativa e o Projeto Pesca Solidária vêm a público agradecer ao: Governo do Estado, na pessoa de sua Excelência Wellington Dias; Deputado Estadual Dr. Hélio e sua esposa Tatiane Cabral; ao Superintendente do Meio Ambiente Dr. Carlos Moura Fé; ao Secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí, Ziza Carvalho; Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), nas pessoas de Patrícia Claro, Silmara Erthal, Ana Célia e Heleno Santos; Programa Peixe-boi-Cepene e Base de Itamaracá, nas pessoas de Leonardo Messias, Iara Sammer, Fernanda Niemeyer e Fabio Cunha; Aquasis; Prefeitura de Luis Correia, na pessoa do excelentíssimo prefeito Kim do Caranguejo e o Secretário da Pesca, o senhor Cajado; ao grupo Lameiros, na pessoa de Guilherme Pontes e Débora Pontes; a Souza e Santos assessoria, na pessoa de Lourdes Souza e Eliesio Santos; Base Peixe-boi de Cajueiro da Praia e todos os seus funcionários, João Filho, Ramom Maia, Adecilio Sousa, Francisco Marcio, José Carlos, André Dourado, Edleuda Queiroz; ao senhor Claúdio Ferreira de Sousa; à senhora Rebeca Araújo Machado; ao senhor Leone Freitas; toda a equipe do Gabinete Militar;  à Secretaria do Meio Ambiente do Estado, na pessoa do Prof° Mário; ao Grupo Lameiros; ao Batalhão da Policia Militar; ao fotógrafo e jornalista Chico Rasta Brandão e sua esposa Gelma Rodrigues; ao fotógrafo Gelson Catatau; aos turistas e moradores de Luís Correia; ao Instituto Tartarugas do Delta, à administração do aeroporto internacional de Parnaíba, à toda a imprensa do estado do Piauí.

A união de todas estas instituições e pessoas foi essencial para o sucesso dessa operação. Sem a participação, dedicação e empenho de cada um, não teríamos alcançado o resultado positivo. Cada palavra de apoio dada, cada informação repassada, só mostrou que uma ação executada de forma coletiva nos impulsiona a seguir sempre em frente. E é com a esperança e força renovada que a Comissão Ilha Ativa diz um muito obrigado.